CORAÇÃO ENCAPSULADO - COMO CARREGAR ESSA CRUZ?


Cuidado! O advento da Grande Cruz Cardinal desenhando-se no Céu há semanas, não pode tornar-se uma armadilha que arrebate seu ânimo, roube a sua força, provoque taquicardias e o paralise na indecisão e no medo.
Não permita que a negatividade invada o labirinto energético de que você é feito, gerando eventos desestruradores em sua vida.
Carregar o Céu como um peso no corpo não é uma atitude inteligente. Não lhe trará vitalidade e só fará aumentar os seus níveis de cortisol.
Não existe nenhuma conspiração divina que esteja afrontando o que você é, deixa de ser, ou deveria ter sido.
Se você embarcar nessa perspectiva, ela se tornará real, atuando como um catalizador negativo. Ela será uma “entidade” a exigir num tranco, que você processe a reconstrução de tudo o que é imperfeito e errante em sua vida.
Mas que conversa de maluco é essa?
Essa Cruz Cardinal não é algo projetado para o futuro, com o intuito de gerar ansiedade, pressão e confronto, para que você se torne algo diferente do que já é. Não!
Ela está acontecendo no seu hoje, enquanto você inspira e expira automaticamente. Essa cruz é uma oportunidade porque ela é e está em seu corpo - agora!
Basta que você se dê conta disso, apercebendo-se no exato instante em que lê esse texto, que o ato de respirar não faz de você um autômato. Mas um ser vivo. Que tem consciência. E que tem valor, unicamente por existir.
O ato de respirar pode envolver a sua atenção consciente e ser um exercício de gratidão. Afinal, a vida que está ao seu redor, dentro de você e em todo o espaço sideral, lhe foi dada como um presente. 
Um presente de amor!

Voltemos ao Céu de fora, trazendo-o para dentro e foquemos num outro aspecto celeste que, por não abarcar tanta tensão, não chama tanto a atenção como a Grande Cruz Cardinal, embora não seja menos emergente:
A Lua, Netuno, Vênus e Quiron estão em Peixes, em harmonia com Júpiter e Saturno também em signos do sentir.
Tal qual um poema tecido em delicadezas, nos versos subliminares da dança das águas, eis que a sacralidade do ser ressurge das dores e incompreensões que atraimos como co-criadores desse mundo.
Medite em seu Céu interior e harmonize-se com todo o Universo.
Diz o poeta que tudo vale a pena, se a alma não é pequena. Se renunciarmos a carregar o Céu como uma Cruz em nosso corpo, começando a duvidar de que o inimigo esteja fora da gente, a alma cresce, ganha voz e poder.
A resposta do labirinto que nos aprisiona na ansiedade e depressão está na incapacidade de vermos que sob todas as faces aparentes ou ocultas, o Amor impera e respira!
É preciso surfar na onda de que o Céu particular de cada um é de sua inteira responsabilidade. Ainda que estejamos sujeitos a tsunamis, a vida é boa e maravilhosa!






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente este artigo: